“Se eu não te procuro, a gente não se fala. E isso acaba machucando muito. É como levar um soco no estômago. Pensando bem, o soco deve doer menos.
Pedro Pinheiro. (via sentimentos-fragilizados)
“Acho que você tem que enfiar a cara na lama, de vez em quando, acho que você tem que saber o que é uma prisão, o que é um hospital. Acho que você tem que saber o que é ficar sem comer por quatro ou cinco dias. Acho que viver com mulheres loucas faz bem para a espinha. Acho que você pode escrever com satisfação e liberdade depois de passar pelo aperto. Só digo isso porque todos os poetas que conheci têm sido uns frouxos, uns parasitas. Não tinham nada pra escrever, exceto sua egoísta falta de persistência.”
Charles Bukowski, “O capitão saiu para o almoço e os marinheiros tomaram conta do navio.”   (via excrucias)
“Vai por mim, nenhum homem vai te amar por suas roupas caras, ou sua maquiagem exagerada. A gente prefere mulher descabelada, com camisa desbotada, shortinho, chinelo, e uma carinha de “você acabou de me acordar”. Não há testosterona que resista ao charme da inconveniência.”
Sean Wilhelm.  (via pro-eminencia)
- ACABOU. FIM. IT’S OVER! – E desliguei o telefone na cara dele me sentindo a dona da razão. Mas como acabar algo que nunca começou? Aí me culpei, me senti uma ridícula, e comecei a imaginar ele rindo da minha cara e me chamando de maluca com aquele sotaque irritante. E o pior, eu era uma maluca, uma maluca por ele.”
Quando o Telefone TocaThiara Macedo (sdpm)
“Eu só quero que você entenda que eu não gosto quando você vai embora. Não gosto quando você esconde o que sente. Não gosto quando você não me dá a menor bola. Se eu falo que está tudo bem, quero que você pergunte de novo. E de novo. De vez em quando eu finjo que tudo está numa boa, mas tenho o meu lado fraco. Preciso de colo. De atenção. Se eu estou triste, quero você ao lado. Se eu estou brabo, quero você ao lado. Se eu estou num dia bom, quero você ao lado. Se meu dia foi péssimo, quero você ao lado.”
Clarissa Corrêa   (via aprendizdepoeta)
“Calma. É só se manter longe. Longe, bem longe. Que longe nada afeta. Ou quase nada.”
Caio Fernando de Abreu.   (via sou-inseguro)